SLIDE

Mortes e mentiras: Algumas verdades sobre vôo MH17



Peças de destroços são vistos no local onde o voo Malaysia Airlines foi abatidocaiu perto da aldeia de Rozsypne(Rassypnoye) na região de Donetsk, no leste da Ucrânia 01 de agosto de 2014 (Reuters)
Por: *Phillip Butler para RT

Todos no mundo acompanharam Vladimir Putin dizendo das 298 pessoas mortas a bordo e que o avião caiu em terra aos pedaços.

É mais de um mês desde o maior incidente na história aéreo de passageiros, e isso é o que sabemos com certeza. 

Será que corremos o risco da eclosão da Terceira Guerra Mundial sobre boatos e rumores? A liderança bombástico no Ocidente revelou a única verdade real sobre este assunto: credibilidade e confiança sobre a Ucrânia.

Os fatos do vôo MH17 

Às 13:15 horas  de 17 julho de 2014, os controladores de tráfego aéreo em Kiev perderam radar contato com o vôo MH17 . O Boeing 777-200ER, que voava do Aeroporto de Schiphol, em Amesterdam para Kuala Lumpur, caiu em pedaços sobre fronteira leste da Ucrânia.

Os primeiros relatórios recebidos do público sobre a catástrofe veio de vários meios de comunicação. Essas tomadas basicamente repetiu o que as autoridades em Kiev e o Departamento de Estado dos EUA divulgaram. Desde o início, os funcionários do Ocidente iniciaram um jogo de culpa, em grandes proporções.

Dentro de algumas horas após o  evento, quase todos os meios de comunicações sociais garantiam de que a Rússia e os combatentes pró-russos no leste da Ucrânia eram culpados. Sabemos agora que quase toda a informação inicial sobre a derrubada da Malásia Airlines foi enganosa na melhor das hipóteses.

Fontes de inteligência dos EUA disseram que os sistemas de mísseis terra-ar BUK  foram usados por baixo do avião afim de derrubá-lo. Supostamente, esses lançadores foram habilmente operados por guerrilheiros que estavam cercados por forças de segurança ucranianas em território contestado. Enquanto isso, a mesma segurança e defesa da indústria de trilhões de dólares que os espiões da NSA possuem sobre o mundo, evidentemente, mostrou MH17 foi abatido por um "Missil de Vladimir Putin."

Um grupo de especialistas internacionais, incluindo os membros da missão da polícia holandesa, trabalham no local onde o vôo Malaysia Airlines foi  abatido MH17 (Reuters / Sergei Karpukhin)

Acredita-se que o presidente da Rússia ordenou que o exército utilizasse um sistema BUK na fronteira, para entrega as forças separatistas, a fim de derrubar um avião amigável, e, em seguida, o lançador seria conduzido de volta para a Rússia. Além disso, tudo isso era para ser realizado em segredo e em plena luz do dia.

Mas hoje temos uma dúzia de teorias plausíveis sobre o que aconteceu. O mais legítimo, no momento, e engajado pelo ataque a aeronave ucraniana SU 25 , tem sido amplamente ignorado, apesar de importantes especialistas respeitarem a teoria. A narrativa de Kiev / EUA / / GCHQ / EU / Casa Branca e NATO tem acalmado um pouco os rumores, já que o Ministério da Defesa da Rússia enviou a mensagem de que dispunha de todas as provas. Ficamos  paralisados contra-sanções aqui na Europa. Sanções impostas à Rússia com base em um monte de mentiras, pelo que sabemos.

Os dissimuladores do vôo  MH17

Quase instantaneamente, os políticos norte-americanos mais poderosos e ferozes entraram em ação. Os principais meios de comunicação da CNN , Fox , Reuters e BBC seguiram o exemplo, como um script. O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, aparece como a 'cabeça quente' ou irresponsável sobre os primeiros relatos de um incidente internacional terrível. É interessante notar que à esquerda, professa outras verdades sobre Gaza, e no Iraque uma necessidade ressurgente à greve na Síria.

Momentos depois qada queda do vôo MH17 , O departamento de Estado juntamento com Kerry anunciaram o "horror" dos Estados Unidos sobre a perda. Então, pouco mais de quatro horas após o fato, o vice-presidente Joe Biden proclamou a queda como um "sopro do céu controlada pela pró-Rússia".  A Reuters twittou a manchete de Biden provocando a pergunta: Como é que Joe Biden sabia das informações antecipadamente?


Vice-presidente dos EUA, Biden diz que vôo da Malaysia Airlines foi derrubado ", não foi um acidente aéreo" - Reuters 17 jul 2014 - (para ver o post original do twitter (Inglês) click Aqui )  

A então a ex-secretária de Estado Hillary Clinton entrou na briga, no encalço da verdade, sem dúvida. Clinton apareceu no programa "Show de Charlie Rose" na noite do dia 17 para discutir o assunto, apontava para a Rússia e observava os preços das ações. Qualquer pessoa razoável poderia perguntar: "Como é que foi possível prever algo antecipadamente? E'' Por que Clinton não focou nos tickets de ações?"



Virou saco de pancadas do Departamento de Estado Americano, Jen Psaki, dois dias depois,  garantir-nos, ainda, que a administração estava chocada com os insurgentes de "acesso limitante" para o local do acidente. Tudo isto depois de monitores da OSCE começaram a investigação logo após o desastre.

"Nós estamos profundamente preocupados com a recusa dos separatistas Rússos ao permitir que a OSCE monitore o acesso ao local do acidente do vôo Malaysia Airlines MH17. Ontem, os monitores eram permitidos apenas 75 minutos no local. Hoje, foram permitidas menos de três horas. Até o momento, os separatistas têm monitores permitido apenas para ter acesso limitado a uma pequena área ".

Para adicionar insulto à injúria, John Kerry falou ao programa da CBS "Face the Nation", e outros meios de comunicação de TV principais  após a queda do avião. Mais uma vez a Rússia era culpada.  O secretário de Estado dos Estados Unidos  alegava "Enormes quantidades de evidências" para mostrar.

Mas nunca vi nada disso. 

Confiança zero 

É importante notar aqui, um dos editores do Kyiv Publicam contribuem com informações e editorial para Mashable, mais lido meio de comunicação social do mundo. Mas talvez isso seja apenas mais uma coincidência neste mais recente de alta maré de 'coincidência'. O que é mais importante para o público agora são os resultados secundários por causa da derrubada do MH17, e o jogo de culpa subseqüente.

Apenas alguns dias depois do acidente, Washington parecia uma  corneta impondo sanções econômicas severas sobre a Rússia sobre o envolvimento do país. Apesar do "envolvimento" ainda não ter sido comprovado. Logo depois, em Bruxelas cumpridas as licitações. Putin, finalmente, respondeu na mesma moeda.

Angela Dyczynski senta-se em um pedaço de destroços da Malásia Airlines MH17 perto de seu marido Geaorge (R) durante a sua visita ao local do acidente, perto da aldeia de Hrabove (Grabovo), região de Donetsk 26 de julho de 2014 De acordo com a mídia local, Perth a filha de Dyczynski Fátima estava a bordo do avião Malaysia Airlines na rota de Amsterdam para Kuala Lumpur, quando foi derrubado no leste da Ucrânia em 17 de julho (Reuters / Sergei Karpukhin)


Putin vetou a  proibição dos produtos agrícolas na Europa. Agora os agricultores e outras empresas em toda a UE enfrentam a ruína quase certa, os protestos e gritos de socorro, já começaram. O que é ainda mais potencialmente desastroso (especialmente para os EUA) é a probabilidade da UE retrair as sanções. Quando isso acontece, o vínculo da Alemanha com os Estados Unidos pode muito bem ser quebrado, e o provável substituto pode ser Rússia.

Insinuações de agressão pelos russos, tem sido o dogma da liderança ocidental desde antes dos Jogos Olímpicos de Sochi. Mas Vladimir Putin, tem sido incrivelmente calmo. O Ocidente ataca Sochi e os Jogos Olímpicos - Putin os coloca em xeque. Os McCains e Kerrys  incitam motins em Maidan Square - Putin está informado. 

O mais notável, porém, mesmo apesar de um coro de sabres tinindo de Washington, Londres e Varsóvia, Putin só respondeu com estratégia de combate, não precisou de tanques ou uma enorme força militar. Agora fica a pergunta: Quem é o verdadeiro agressor aqui?


Barack Obama, David Cameron, da Austrália Tony Abbott e o resto das pessoas tinham tanta certeza, agora eles foram completamente silenciados. Suas teorias e profissões, literalmente, desapareceram, voltando desta forma no início, ou será que um acobertamento da catástrofe política mais perigosa do século 21 até agora?

Como isso é possível? Se a transparência não acontecer muito em breve, a nossa crença na justiça e na verdade será a a próxima vítima.

Em algum lugar na Espanha hoje, um fazendeiro fica pensando, 'O que é que eu vou fazer?' Mais apropriadamente, porém, o que é a União Europeia vai fazer? Nós não temos necessidade de regurgitar catástrofes econômicas de Portugal, Grécia, Itália, Irlanda, ou para falar sobre histórias de horror de austeridade romeno aqui.

A chanceler alemã Angela Merkel e outros líderes da UE estão neste momento firmando uma confederação escalonada das nações. Agricultores espanhóis queimam bandeiras da UE sobre as plantações de pêssego, as imagens praticamente diz tudo. Sanções que incide sobre uma enorme nação consumem a Rússia, sem motivo concreto, isso mostra tanto uma grande incompetência no Ocidente, e uma postura absolutamente firme para o conflito e caos.

Se Bruxelas rever seus sentidos em breve, centenas de milhares de pessoas perderão seus empregos no próximo ano.O ING Group acaba de informar o custo potencial, tais sanções podem exceder 670 milhões de € e custando 130 mil postos de trabalho, de forma conservadora.

Estamos a assistir a uma das maiores farsas da política externa já perpetuada na Terra. Enquanto alguns  argumentam que estou sendo sensacionalista, considere Hillary Clinton em poucos minutos na TV, depois que um assassinato em massa culpou a Rússia pelo crime. Mais do que isso, acho que ela estava consultando o relógio de ações para compreender a tragédia, que levou a queda do avião.

"Será que eles sabem?" Eu quero dizer, é que o governo norte-americano "realmente sabe" quem matou todas essas pessoas? Dias mais tarde, vimos, provas contrárias, apresentada por um soldado profissional da Rússia. Mas de alguma forma o relatório que você vê abaixo no vídeo não foi apresentado como um contraponto, mas como uma peça de propaganda pela BBC, Reuters, e os outros no Ocidente.



Agora vamos experimentar um comboio humanitário, realizado por Kiev com comida vital e remédios para os russos na Ucrânia oriental, amplamente divulgada como "uma invasão" por Putin. Estamos convidados a acreditar de novo, em alegações forjadas que a mesma Rússia fez a Blitzkrieg na Segunda Guerra Mundial, e "Duck and Cover" na década de 1960, a mesma Rússia que colocava medo em toda a Europa durante a Guerra Fria, onde as forças armadas russas precisam esgueirar-se para a Ucrânia em caminhões de primeiros socorros.

Desculpe-me, mas isso é algo que um lunático iria proferir.

Para mim, a julgar Putin tudo isso me leva a uma conclusão. Gostaria de saber o que o mundo espera de um grande líder. Gostaria de saber o que os meus colegas americanos imaginariam se um político russo precisassem aprepresentar-se o seu povo. Não é a Ucrânia, como "russo", é algo mais? E se partes da Ucrânia são realmente russa, que tipo de homem iria deixar seu povo morrer de fome? Para ser abatidos? Que tipo de Rússia iria ficar e assistir a NATO lançar mísseis balísticos á 250 milhas de Moscou?

Talvez a pergunta final é introspectiva. Que tipo de América suporta mentiras e mortes ou destrói as vidas de milhões de pessoas?

A gravidade dessa questão deve obrigar-nos a exigir respostas. Não amanhã, mas hoje. Meus compatriotas americanos parem de enganar o mundo.



*Phil Butler é um tecnologo prolífico, Editor de notícias jornalistas. Ele também é um parceiro em uma das principais empresas de relações públicas e de marketing digital da Europa, Pamil Visions PR . Phil contribui para o Huffington Post, The Epoch Times em versão impressa e on-line, e é um analista de relações públicas regular para Russia Today, bem como outros meios de comunicações internacionais.

As declarações, pontos de vista e opiniões expressas nesta coluna são exclusivas do autor e não representam necessariamente as da RT.

Texto Traduzido e adaptado do Inglês

Fonte: RT 

http://www.nosdiasdenoe.com/2014/09/mortes-e-mentiras-algumas-verdade-sobre.html

0 comentários: