SLIDE

Mais uma obra bilionária financiada pelo dinheiro do povo brasileiro, desta vez no Peru.

Urgente! Mais uma obra bilionária financiada pelo dinheiro do povo brasileiro, desta vez no Peru

Urgente! Mais uma obra bilionária financiada pelo dinheiro do povo brasileiro, desta vez no Peru

Aêeee!!! E no circo do país da copa tudo 100%, a Copa das Copas rolando à 1000, enquanto isso, decreto ditatorial rolando, PT 
lutando para votar a tal reforma política, mensaleiros mal esperaram a saída de Joaquim Barbosa do STF para serem liberados para sair da prisão para “trabalhar”. E agora mais esta informaçãozinha ”pimpona”. O suado dinheirinho do brasileiro vai financiar mais uma obra, e mais uma vez não será para beneficiar o povo brasileiro. E dessa vez o país escolhido foi … o Peru. 

BNDES financia mega construção de gasoduto no Peru

Em contato com a Pública, o BNDES, entretanto, se recusou a comentar quais projetos de hidrelétricas peruanas estariam sendo avaliados pelo banco. “O BNDES não faz comentários sobre se um projeto está ou não sendo analisado pela instituição. Podemos dizer apenas que nenhum daqueles projetos foi até o momento aprovado ou contratado pelo BNDES”, informou a assessoria, depois de uma evasiva troca de 27 e-mails com a Pública. (Fonte: A Pública)

**A um custo de 7,3 bilhões de dólares (16 bilhões de reais), o Gasoduto do Sul terá 1.000 quilômetros de extensão e servirá para o abastecimento domiciliar de gás para uma população de 600.000 pessoas nos Andes e na costa meridional do país, além de alimentar duas centrais termoelétricas em construção, cedidas em concessão para empresas estrangeiras.

Licitação polêmica

O resultado da licitação aconteceu em meio a queixas do consórcio concorrente, formado por GDF Suez, Sempra, Tech Petrol (da Argentina) e TGI (da Colômbia), que foi desclassificado. O órgão estatal ProInversión havia estabelecido o dia 20 de junho como data limite para que fossem informadas mudanças nos percentuais acionários das empresas, mas, vencido o prazo, a GDF Suez reduziu sua participação de 25% para 2%. Na sexta-feira passada, a ProInversión deu até a segunda-feira, dia 30, para que as mudanças fossem confirmadas, mas, uma hora antes do prazo, o organismo informou que, após consulta a advogados, decidiu excluir a oferta desse consórcio. O valor da obra proposto pelo consórcio eliminado era menor: 7,2 bilhões de dólares. O Estado havia estabelecido um valor máximo para a obra de 7,8 bilhões de dólares.

A brasileira Odebrecht já atua há 33 anos no Peru, com obras como a construção de hidrelétricas e de estradas. Também tem atuação em países como Argentina, Equador, Colômbia e México.(Fonte: El País)
FONTE;
http://opiniaopovo.blogspot.com.br/2014/07/urgente-mais-uma-obra-bilionaria.html#.U_qNWMVdVCg



0 comentários: