SLIDE

Arruda é flagrado em vídeo contando como articulou votos para liberar candidatura na Justiça

Ficha-suja e acusado de corrupção, ex-governador do DF pediu ajuda a ex-presidente Fernando Henrique para falar com ministro do STF



Ex-governador do DF, José Roberto Arruda tenta atritucular votos para liberar o sua candidatura junto ao TSE -Reprodução / Reprodução
BRASÍLIA — O ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda, que tenta voltar ao cargo nas eleições deste ano, foi flagrado em vídeo articulando para conseguir votos favoráveis à sua candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). No vídeo, em poder do Ministério Público e divulgado pelo site da revista "Época", Arruda diz que procurou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para convencer o ministro do TSE e do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes a votar favoravelmente a ele. Arruda também sugere ter o voto do ministro do TSE e do Superior Tribunal de Justiça (STJ) João Otávio de Noronha. Arruda teve a candidatura barrada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do DF em decorrência da lei da Ficha Limpa e agora tenta reverter a decisão no TSE. O julgamento no TSE está previsto para a noite de hoje.
Em nota, Fernando Henrique Cardoso confirmou ter sido procurado por Arruda e disse ainda ter apenas indagado Gilmar Mendes sobre o caso, sem pedir nada. "O ex-governador Arruda falou comigo a respeito de seu recurso ao TSE. Queria que o julgamento ocorresse a tempo de, se favorável, concorrer ao governo de Brasília. Como sempre, sou muito cuidadoso nessas matérias. Apenas indaguei do ministro Gilmar se havia chance de isso ocorrer. Fui informado de que haveria um julgamento anterior que pré-julgaria o caso. Nada mais pedi a ninguém nem nada mais me foi dito", afirmou Fernando Henrique em nota.


Segundo a "Época", as conversas flagradas no vídeo foram gravadas na casa do advogado Eri Varella, amigo do ex-governador Joaquim Roriz.
— Você não se deu bem sempre com o Gilmar? — pergunta Varella
— O Fernando Henrique é que está trabalhando — responde Arruda.
O ministro João Otávio de Noronha, citado na gravação de Arruda, não se manifestou até o momento. Não houve qualquer orientação dele para seus assessores. Gilmar Mendes também não quis se manifestar.
Arruda deixou o cargo em 2010 após o escândalo do mensalão do DEM e chegou a ficar dois meses preso. Em julho deste ano, a 2ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) manteve, por maioria, a condenação por improbidade administrativa. Com isso, ele foi enquadrado na Lei da Ficha Limpa pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e corre o risco de não poder tomar posse caso eleito. Arruda ainda pode fazer campanha enquanto o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não analisa o caso.
No vídeo, Arruda também fala da estratégia alternativa para liberar sua candidatura caso não consiga uma vitória no TSE. Ele entrou com um recurso no STJ para derrubar a decisão do TJDFT. O relator é o ministro Napoleão Nunes Maia Filho, que já havia concedido uma liminar suspendendo o julgamento do TJDFT que resultaria na condenação. O julgamento só ocorreu porque o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa cassou a liminar de Napoleão.
— Agora o outro caminho da cautelar (no STJ), eu diria a você que é 90% de chance. Desde que resolva os embargos, se for possível. Agora tudo isso tá sendo avaliado, no momento certo. Mas o que eu acho que é importante na nossa conversa, é o seguinte: essa é uma luta que eu estou nela, vou até o final. Se gente ganhar, ganhou. Se não ganhar, vamos ter que descobrir um caminho para ganhar a eleição sem eu — disse Arruda.


ADVOGADO NÃO ACREDITA EM INFLUÊNCIA DO VÍDEO NO JULGAMENTO

O advogado de Arruda, o ex-ministro José Eduardo Alckmin, chegou por volta das 19h15 ao TSE, e disse que não acredita que o julgamento seja afetado pela divulgação do vídeo. Ele também afirmou que está esperançoso pela vitória. José Eduardo explicou também que uma decisão negativa do tribunal não paralisaria a campanha.
- O candidato só se retira da campanha se retira da cmapanha quando acabar o processo, inclusive cabe recurso ao TSE e ao Supremo. Sempre é possível haver rejeição. Ele continua fazendo campanha. A jurisprudência é muito favorável a ele (Arruda) - afirmou o advogado.
Estão presentes na sessão os ministros Gilmar Mendes e José Noronha, que são citados no vídeo. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também comparece.



0 comentários: