SLIDE

O caos: O Mundo sem Petróleo



Por Sheila Lobato 

Previsões sombrias sobre o futuro da humanidade são divulgadas a cada dia. Como será a vida sem petróleo? Sem água? Sem comida? Mas há uma luz no fim do túnel 

Venda de gasolina no Quirguistão, Ásia Central. A escassez do produto e seu alto preço no país têm estimulado algumas pessoas a comercializá-lo em pequenas quantidades à beira das estradas. 

Disparada do preço do petróleo, aquecimento global, degelo das calotas polares, elevação dos oceanos, alta do preço dos alimentos, escassez de água potável - tudo isso e mais um pouco está tirando o sono do planeta. Sem reservas Dapreciáveis de petróleo e de terras agricultáveis, com verões escaldantes, invernos gelados e violentas tempestades nas épocas de chuvas, os europeus estão vivendo o pior dos mundos. E não só eles. 

A imprensa tem divulgado previsões sombrias sobre o futuro da Europa e da humanidade. Se assim será por lá, pior ainda na China, na Índia e em outros países emergentes, Brasil incluído. Como será a vida sem petróleo? Sem água? Sem comida? E, por mal dos pecados, sem sexo? Porque será humanamente impossível, com tanto problema na cabeça, pensar ainda naquilo. 

Mas ainda existe gente otimista. Uma publicação francesa pediu a pesquisadores de novas tecnologias que descrevessem o cenário que imaginavam para um mundo sem petróleo. Nenhum pintou o caos, mas todos concordaram que a vida será muito diferente. Um deles prevê que o fim do petróleo fará a humanidade voltar ao melhor dos tempos: em vez do automóvel, a carroça; em vez de possantes motores, cavalos, jumentos, asnos e outros bichos de tração. 

O pesquisador não pensou, porém, no grave problema de trânsito que as carroças vão causar na Place de l'Etoile, na Times Square ou na Avenida Paulista, com centenas de garis correndo para lá e para cá a fim de recolher o produto indesejável dos escapamentos animais. Em vez disso, ele pensou nos preços da aveia e forragens nos mercados spot, prevendo uma disparada igual à do petróleo hoje. Com a grande vantagem de que aveia e forragem são cultiváveis. 

No entanto, plantar aveia onde? Na Europa, onde não haverá terra suficiente para alimentar os humanos? Nos países pobres? Com isso, vão ter uma gorda receita para equilibrar suas finanças. Mas e se houver fome nesses países, pela substituição de cultivos para os humanos por forragens para os animais? 

A questão remete ao debate entre os países ricos produtores de etanol à base de milho e os pobres produtores de etanol da cana-de-açúcar. Os ricos, acusados de encarecer os alimentos no mundo; os pobres, de crime contra a humanidade por plantar cana em vez de feijão. 

Quem tem razão? Nenhum dos visionários europeus abre uma chance sequer ao etanol brasileiro. Se pensam na volta das diligências, porém, é porque os produtores de cana não estão vendendo direito seu peixe. Com os Estados Unidos plantando milho para fazer álcool e o galão de gasolina a cerca de US$ 5, não há dúvida de que estamos na nova era. Aí, a vantagem do álcool de cana - dez vezes mais competitivo que o do milho e derivado de um cultivo nãoalimentar - é fora de série. 

Grupo de refletores de luz solar na usina Solar-1, em Barstow, na Califórnia. A luz é enviada para uma torre da usina, que a transforma em energia. Essa matriz energética deve ganhar cada vez mais força com o passar dos anos. 

Haverá fome por causa disso no mundo? É lobby das grandes empresas petrolíferas. A área cultivável não aproveitada do Terceiro Mundo pode abastecer toda a frota mundial de veículos. A floresta amazônica seria varrida do mapa? Ora, lá não dá para plantar nem cana nem grãos. A ameaça ao pulmão do mundo vem dos desmatamentos para as pastagens e da venda ilegal de madeira aos países ricos. 

Quando o petróleo vai acabar?

O petróleo um dia vai acabar, isso é certo. Em muitos lugares já acabou. Mas, por enquanto, não é possível estabelecer uma data precisa para essa total exaustão das reservas. O que há são especulações, mais ou menos verossímeis. 

No início deste século, os cálculos mais acurados indicavam que a produção iria se estabilizar ao redor de 2004, e que esse patamar iria durar, na melhor das hipóteses, apenas 15 anos. Depois disso, a extração de petróleo convencional entraria em gradativo, mas inexorável, declínio. Para a maioria dos especialistas, o patamar estável já foi atingido. O próximo passo, fatalmente - e apesar de recentes descobertas alvissareiras, como a dos campos de petróleo na camada de pré-sal -, é que a produção global irá parar de crescer em breve. Preparados ou não, teremos de enfrentar um futuro sem petróleo. Um futuro que poderá ser marcado pela recessão e pela guerra. 

Ninguém sabe de fato quanto combustível existe no subsolo do planeta. Os chamados pessimistas do setor petroleiro argumentam que o ponto de inflexão é iminente, ou já ocorreu, e está mascarado pelas flutuações diárias na produção. Os otimistas, por seu lado, afirmam que décadas se passarão até esse ponto ser atingido. Segundo eles, ainda existe muito petróleo acabanpara ser extraído ou achado. Há também imensas reservas de petróleo "não convencional", como os maciços depósitos de areia betuminosa no oeste do Canadá. 

Mas até mesmo os mais otimistas admitem que os limites físicos já são visíveis. O número de novas jazidas descobertas a cada ano vem se reduzindo nas últimas décadas, apesar dos avanços tecnológicos, entre os quais sistemas digitais de levantamento sísmico que permitem aos técnicos distinguir os depósitos de petróleo muito abaixo da superfície da Terra. Por outro lado, a maioria dos campos grandes e fáceis de localizar - os chamados "elefantes" - foi descoberta décadas atrás, e os remanescentes tendem a ser bem menores. Estes não apenas são mais difíceis de ser encontrados do que os campos maiores, como também precisam ser descobertos em maior número para que se extraia a mesma quantidade de petróleo. 

O grande temor é a lentidão com que o mundo está reagindo à quase certa escassez do petróleo no futuro próximo. Carros com motores mais eficientes e alternativas como os biocombustíveis vão compensar o fim de algumas fontes de petróleo, mas o maior desafio talvez seja o de reduzir a demanda em sociedades sedentas de energia. No entanto, discussões realmente sérias sobre mudanças em nosso modo de vida e nossos hábitos perdulários ainda não começaram. Corremos o risco de ser simplesmente atropelados pela história. 

Mais: os alimentos não estão em alta por falta de plantio, mas por especulação combinada com o apetite dos chineses, hoje comendo como nunca. Quando a bolha especulativa furar, os preços vão cair pelo menos 30%. Quando? Os visionários não foram perguntados, mas é uma boa questão. E a resposta é: quando os EUA e a Europa reduzirem seus déficits públicos a menos de 2% ou 3% de seus PNBs. (PNB, o produto nacional bruto, é a soma das riquezas produzidas anualmente num país, com o acréscimo das rendas recebidas do exterior por empresas e cidadãos desse país e o desconto das rendas obtidas por empresas e cidadãos de outros países). 

Voltando às previsões mundiais, pensar no fim da era do petróleo até que não é má idéia. O futuro será da organoquímica, sucessora da petroquímica. Os copinhos hoje de plástico obtido a partir do petróleo serão feitos de bagaço de cana e casca de batata. Translúcidos e bonitos, decompõem-se na natureza em menos de oito meses. O vestuário dos humanos, a decoração de interiores de suas casas, o plástico amplamente usado em veículos, equipamentos e utensílios domésticos, tudo será de fibras orgânicas, sem um pingo de poliéster, derivado do petróleo devidamente extinto. E alô, alô, atenção, agricultores: a fibra do bambu, já presente na produção de tecidos, é um aperitivo do que a criativa organoquímica irá produzir. 

Fontes limpas e abundantes de energia, como a eólica, a das marés e a geotérmica, substituirão a energia das termelétricas e usinas nucleares. O motor movido a ar comprimido vai tirar das cidades os gastadores, poluidores e lentos caminhões de entrega. Está acabando o ar? É só parar no posto e encher o tanque de ar comprimido, como se enchem hoje os pneus do carro. De graça, viu? Modelos esportivos ou para duas pessoas também cruzarão as ruas das cidades, com autonomia para rodar o dia inteiro. Repito, de graça! 

Para as auto-estradas, o cardápio é variado: automóveis 100% elétricos, movidos a baterias e painéis solares; caminhões e ônibus com motores a hidrogênio ou elétricos, conforme o tamanho e a necessidade. No céu, aviões com painéis solares e reatores a nitrogênio sugado do próprio ar. Nos oceanos, supercargueiros no lugar dos superpetroleiros, propulsados a hidrogênio do próprio mar, além de turbinas acionadas pela força das ondas e pelo vento. Nas ferrovias, trens-bala com baterias auto-recarregáveis correrão suspensos sobre trilhos eletromagnéticos, a 500 km/h, dispensando energia elétrica da rede pública. 

Protótipos esportivos do automóvel 100% elétrico já estão em testes, andando a 210 km/h e acelerando de 0 a 100 em quatro segundos, com autonomia de 400 km e recarga de baterias em apenas 20 segundos. Quando tiverem painéis solares, a recarga será automática. Grátis também, viu? E do trem-bala a nitrogênio já existe um protótipo brasileiro, mostrado em julho à Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Funciona e é mais avançado que os atuais trens-bala japoneses. 

Clique para ampliar 

Casas e prédios produzirão sua própria energia, à base de baterias, painéis solares e miniturbinas eólicas. As piscinas serão fontes de energia gratuita, refrigerando a casa no verão e aquecendo-a no inverno. Painéis solares miniaturizados para caber na bolsa ou no bolso vão recarregar o celular, o notebook e qualquer aparelho a pilha ou a bateria. 

E o vaso sanitário do futuro, se não haverá água bastante nem para beber? Um vaso meio jurássico que hoje custa US$ 5 mil a unidade, de fabricação japonesa e com direito a um banhozinho automático no traseiro, será desenvolvido para aposentar os atuais modelos. Com um detalhe essencial: sem uma gota d'água. 

É simples. Ao se levantar a tampa, um produto higiênico inerte desce pelas laterais, levando tudo para o fundo, limpando e eliminando totalmente os odores. Embaixo do trono, o segredo do negócio: uma miniusina de decomposição ativada pelas mesmas e poderosas bactérias que consomem troncos de árvores tombadas nas florestas. É só jogar um punhado de casca picada no fundo, depois do serviço. As crianças vão adorar. Após o tratamento, o produto vira um farelo seco e sem cheiro que será expelido por um golpe de ar comprimido para a caixa de dejetos do prédio - aliás, não mais uma caixa de dejetos, mas de adubo orgânico da melhor qualidade, pronto para uso na agricultura. 

Por falar nela, o problema da escassez de terras produtivas estará resolvido. Em vez das fazendas horizontais de hoje, superfazendas verticais - imensas torres metálicas, com até mil metros de altura e centenas de andares de produção (ver págs. 24-25). Os do topo produzindo energia fotovoltaica a partir dos raios solares; os da base, energia a partir do calor do manto terrestre através de poços que usarão tecnologias semelhantes às de hoje para extrair petróleo. 

Essa energia movimentará turbinas e geradores para alimentar as torres e iluminar as cidades próximas. As torres produzirão sua própria água a partir do ar. Um túnel central fará o ar quente da superfície subir em alta velocidade até o topo, lançando às nuvens produtos para provocar chuvas artificiais programáveis. A água dessas chuvas servirá às torres, às cidades próximas e à recomposição dos lençóis freáticos exauridos. Ao mesmo tempo, os ventos do túnel e do exterior acionarão superventiladores para gerar energia eólica. 

Nessas torres, todos os cultivos serão hidropônicos. A terra firme será usada apenas para as culturas extensivas, como soja, trigo, milho, arroz. Tudo o mais será produzido nas torres por hidroponia. Protótipos já estão em construção na Espanha. 

Não haverá lugar para a criação de gado de corte, pelo menos na Europa. A carne virá de países como Brasil, EUA e Austrália, com seus vastos territórios. Mas as torres criarão peixes em tanques, reduzindo a necessidade da pesca em rios e mares, pelo menos até a vida aquática se recuperar da poluição deixada pela era do petróleo. 

Por último, a tecnologia da comunicação estará tão desenvolvida que os milhões de toneladas de árvores que as indústrias da imprensa e do papel abatem por ano serão lembrados como um dos muitos desatinos do passado. Livros, jornais e revistas serão lidos em imagens holográficas manipuladas pela voz e pelos olhos do leitor. 

Como? Basta pedir ao microcomputador as notícias do seu jornal favorito e uma imagem tridimensional com textos e fotos surgirá no ar em frente a você. Movimentos dos olhos e da cabeça farão as páginas correr, como se faz hoje com as mãos para virar as folhas de um livro. Se não gostar do visual, o leitor poderá mudar toda a página, ampliando, reduzindo ou suprimindo fotos e diagramando como quiser, aí sim usando as mãos, como no filme Minority Report. Os editores vão se moer. 

Papel, só para embrulhar presentes. Nesse mundo admiravelmente novo, os visionários deixam a boa sensação de que a humanidade, em meio a tantas delícias, poderá dormir em paz e o sexo não será coisa do passado, mas terá lugar garantido num futuro tranqüilo e reparador. 

Nada como sonhar. 

Veja também um documentário com mais detalhes sobre o assunto: 


Fonte:  Revista planeta

0 comentários: