SLIDE

Esquema do doleiro operou nos correios


Investigação aponta elo entre Alberto Youssef e a JN Rent a Car, que embolsou R$ 77,5 mi em contratos com a estatal. Testemunha diz que a locadora era usada para lavar dinheiro
abre.jpg
Em 2005, os Correios foram o pivô do maior escândalo de corrupção da era petista no poder, o mensalão. Agora, nove anos depois, a estatal reaparece enredada em outro caso de potencial explosivo. A Polícia Federal, dedicada nos últimos dias a apurar o envolvimento de funcionários públicos no esquema desbaratado pela Operação Lava Jato, encontrou fortes indícios de que o doleiro Alberto Youssef operou, além da Petrobras e do Ministério da Saúde, também nos Correios. O elo entre o doleiro e a estatal é a JN Rent a Car, cujo nome fantasia é Renacar. Esta empresa de aluguel de carros, sediada em Londrina (PR) e pouco conhecida no mercado, embolsou, em oito anos, mais de R$ 77,5 milhões em contratos com os Correios. No inquérito da PF, a JN aparece fazendo transações financeiras com a MO Consultoria, do doleiro Youssef. De 2005 até 2013, a locadora de veículos multiplicou seus ganhos nos Correios em até 20 vezes, com a ampliação e renovação automática de contratos que receberam nada menos que dez aditivos. O proprietário da JN Rent a Car é uma figura conhecida do meio político e policial: trata-se de Assad Jannani, irmão e um dos testas de ferro do ex-deputado José Janene (PP), réu do mensalão que morreu em 2010 de enfarte e que era um dos parlamentares mais próximos de Youssef.
01.jpg
OUTRA VEZ OS CORREIOS
Pivô do mensalão, a estatal reaparece em novo escândalo. Segundo a PF,
o doleiro Alberto Youssef usou prestadora de serviços da estatal
“Eles usavam a JN Rent a Car para lavar dinheiro”, afirmou em depoimento exclusivo à ISTOÉ a testemunha-chave da Operação Lava Jato, o empresário Hermes Magnus. Foi através de Magnus que a PF soube, no fim de 2008, que o doleiro Alberto Youssef, velho conhecido dos policiais, tinha voltado a operar. Para ISTOÉ, Magnus, ex-sócio de José Janene, detalhou como funcionava o esquema:
“Lembra os euros apreendidos com o Enivaldo Quadrado, doleiro que virou réu do mensalão? Era para comprar os veículos dos contratos de locação com os Correios”, disse o empresário. “Lembro do Janene comemorando o negócio e depois lamentando a apreensão do dinheiro. Eles estão nos Correios. Na verdade, nunca saíram de lá.” Magnus se aproximou de Janene quando buscou um investidor para sua empresa, a Dunel Indústria e Comércio. Ele diz ter se surpreendido quando viu sua empresa usada como lavanderia de dinheiro no esquema de Youssef. “Para comprar os equipamentos, eles usaram diversas empresas de fachada, a maioria em Brasília. No início, queriam colocar tudo em nome da JN Rent a Car”, conta Magnus.
03.jpg
 
O sucesso da JN Rent a Car nos Correios foi meteórico. De um faturamento de R$ 1,4 milhão, em 2005, a locadora passou a ganhar mais de R$ 20 milhões em 2009. Ela prestou serviços para a estatal em dez Estados da Federação: São Paulo (região metropolitana e interior), Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Maranhão, Bahia, Ceará, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Só o contrato de São Paulo de 2006 foi aditivado dez vezes. Para fornecer 80 kombis aos Correios, a JN Rent a Car recebeu pouco mais de R$ 15 milhões. Um investimento e tanto para quem investiu apenas um terço desse valor – e com dinheiro provavelmente obtido do esquema de lavagem, limpo de impostos e de origem ilegal. Segundo os Correios, cada Kombi custou R$ 1,4 mil por mês.
No inquérito da Polícia Federal fica evidente a ligação da JN com o esquema de lavagem. A quebra de sigilo bancário do doleiro preso mostra a compensação de um cheque de R$ 204.157 emitido pela MO Consultoria, de Alberto Youssef, para a JN, em 9 de janeiro de 2009. Naquele dia não houve outras operações relevantes, embora na primeira semana do ano a movimentação bancária da MO tenha superado os R$ 2,5 milhões. Relatório da inteligência financeira do Coaf, número 4.030, enfatiza o relacionamento da MO Consultoria com a empresa JN Rent a Car Ltda. e uma outra firma, chamada Angel Serviços Terceirizados, ambas investigadas nos autos por “indícios de utilização de pessoas interpostas” para as operações de lavagem de dinheiro. A PF afirma que a empresa de Youssef estava em nome do laranja Waldomiro Tuna de Oliveira, que também aparece no comando de outras empresas de fachada. E se refere à JN como uma “empresa que foi de propriedade de José Janene”. Para os agentes que investigam o caso, só a quebra do sigilo bancário da locadora pode mostrar o verdadeiro destino dos R$ 77,5 milhões que escorreram dos cofres dos Correios nos últimos oito anos.
A quebra de sigilo bancário do doleiro preso mostra a compensação
de um cheque de R$ 204 mil emitido pela MO Consultoria,
de Alberto Youssef, para a JN Rent A Car
Em dezembro de 2012, a JN acabou penalizada pelos Correios por descumprir “cláusulas contratuais”. A questão era mais que uma firula: as 80 kombis da JN que prestavam serviços à estatal haviam sumido. Por causa de uma dívida não paga da locadora com a Volkswagen, oficiais de justiça tinham desembarcado em agências de Ribeirão Preto e começado a apreender os veículos. Os Correios ficaram sem conseguir entregar encomendas e cumprir com suas agendas de atividades.
05.jpg
Na entrevista à ISTOÉ, o empresário Hermes Magnus fornece outros elos do esquema criminoso. Ele diz ter decidido pular fora da sociedade na Dunel Indústria e Comércio quando Youssef e Janene o obrigaram a assinar uma papelada para abrir offshores da empresa. A Dunel começaria a ser usada pela CSA Projetct Finance (braço financeiro de Youssef) para lavar dinheiro. Primeiro, nas Ilhas Virgens Britânicas, depois nas Bahamas e assim por diante. Segundo Magnus, o esquema obedece a uma lógica complexa que envolve a criação de offshores em até cinco níveis, uma dentro da outra, e diferentes paraísos fiscais. No plano nacional, a teia de empresas chega a até dez níveis de sociedades. “Quando o Youssef estava chegando do Exterior com os documentos para eu assinar, fugi e contei tudo para a PF”, revelou Magnus. Com base nas declarações do empresário, o juiz Sérgio Moro montou uma força-tarefa com a Polícia Federal e o Ministério Público em Londrina para detê-lo. “Para eles, prender o Youssef era uma questão de honra, pois ele enganou a todos em 2003 quando tinha acertado uma delação premiada e prometido não operar mais”, afirmou Magnus à ISTOÉ.
Em 2012, a JN Rent A Car foi penalizada pelos Correios
por descumprir cláusulas contratuais. As 80 kombis da
JN que prestavam serviços à estatal haviam sumido
Segundo o empresário, a JN, que ganhara a licitação milionária nos Correios, estava enredada nessa teia de corrupção. Em 2009, a PF obteve uma pista para prender Enivaldo Quadrado (doleiro réu no mensalão) no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos (SP). Sócio da corretora Bônus-Banval e condenado pelo Supremo Tribunal Federal na Ação Penal 470, Quadrado fora pego na ocasião com 361 mil euros, equivalentes a R$ 1,2 milhão, em maços de notas presos ao corpo, nas meias e até na cueca. Magnus conta que era para ele estar no lugar de Enivaldo Quadrado. “Mas eu não aceitei ser ‘mula’ (pessoa que carrega o dinheiro e entrega no destino combinado) do esquema”, alega. “Eu estava na Europa semanas antes. Deram para mim um celular Voip e queriam um favor. Eu desconfiei e nem liguei o telefone. Duas semanas depois, entendi o porquê”, desabafa. Magnum suspeita que parte dos euros do corretor seria usada para a compra dos veículos da JN Rent a Car.
Euros apreendidos com o doleiro Enivaldo Quadrado seriam
usados para a compra dos veículos da JN Rent A Car
Os investigadores avaliam que o esquema se beneficiou especialmente das gestões do PMDB no comando da estatal, com a anuência do PT, repetindo o enredo que deflagrou as denúncias do mensalão. Nos últimos dias, a PF e o Ministério Público Federal colheram novos e robustos indícios de que Youssef era o braço financeiro de Janene e que este não era apenas mais um deputado mensaleiro, e sim um dos principais operadores políticos do esquema, que já funcionava antes de o governo do PT chegar à Presidência e que continuou operando depois do escândalo do mensalão. “Janene e Youssef eram unha e carne, como uma pessoa só. Entraram seus herdeiros”, confirmou Magnum à ISTOÉ. Quando ele morreu, só moveram as peças do tabuleiro.
02.jpg

0 comentários: